Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Fractura do maxilar


Um maxilar fracturado causa dor e, geralmente, altera a forma como os dentes encaixam entre si. Muitas vezes não se pode abrir muito a boca ou esta desloca-se para um lado quando se abre ou fecha. A maioria das fracturas maxilares produzem-se no maxilar inferior (mandíbula). As fracturas do maxilar superior podem provocar visão dupla (porque os músculos do olho inserem-se próximo do maxilar), insensibilidade da pele por baixo do olho (por causa de lesões dos nervos) ou uma irregularidade no osso da maçã do rosto, que se pode sentir passando o dedo ao longo deste.

Qualquer traumatismo com força suficiente para fracturar o maxilar pode também lesar a coluna vertebral cervical. Por isso, antes de tratar um maxilar fracturado, fazem-se radiografias do pescoço para afastar uma lesão das vértebras. Uma pancada com força suficiente para fracturar o maxilar pode também causar uma comoção ou uma hemorragia craniana. No caso de uma possível fractura do maxilar, deve manter-se o maxilar no seu lugar com os dentes juntos e imóveis, podendo segurar-se o maxilar com uma mão ou, de preferência, com uma ligadura passada várias vezes por baixo deste e por cima da cabeça. Quem fizer a ligadura deve proceder com cuidado, evitando cortar a respiração ao afectado. É necessária a assistência médica o mais rapidamente possível porque as fracturas podem causar uma hemorragia interna e obstruir as vias respiratórias.

Uma vez no hospital, é possível fixar as partes do maxilar entre si, deixando as fixações durante 6 semanas para permitir que o osso consolide. Durante este tempo, o doente só pode alimentar-se com líquidos aspirados por uma palhinha. Muitas fracturas maxilares podem reparar-se cirurgicamente com uma placa (uma peça de metal que se aparafusa no osso de cada lado da fractura). Os maxilares são imobilizados durante uns dias, depois podem comer-se alimentos moles durante várias semanas. Algumas fracturas do maxilar não são imobilizadas nas crianças; o tratamento inicial permite movimentos limitados, recomeçando-se a actividade normal ao fim de algumas semanas. Os antibióticos administram-se habitualmente no caso de uma fractura composta, isto é, que se estenda a um dente ou ao seu alvéolo e se abra para uma área contaminada como a boca.

Fractura do maxilar


Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)