Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Cancro e outros tumores da boca


As formas de cancro da cavidade bucal manifestam-se numa percentagem muito elevada de pessoas. É também muito frequente, comparado com outros cancros e considerando o tamanho pequeno da boca relativamente ao resto do corpo. Juntamente com o cancro do pulmão e da pele, o cancro da boca é mais fácil de prevenir do que muitos outros.

Os tumores não cancerosos (benignos) e cancerosos (malignos) podem ter origem em qualquer tipo de tecido na boca e à volta da mesma, incluindo ossos, músculos e nervos. O cancro que tem origem no revestimento interno da boca ou nos tecidos superficiais chama-se carcinoma; o cancro originado nos tecidos mais profundos chama-se sarcoma. Só em raras ocasiões as formas de cancro da região bucal são consequência da propagação de um cancro de outras partes do organismo, sendo os pulmões, as mamas e a próstata as mais comuns.

O exame físico para detectar o cancro da boca deve constituir uma parte integral dos exames médicos e odontológicos, dado que é fundamental a sua detecção prematura. Geralmente, as formas cancerosas com menos de 15 mm de diâmetro podem curar-se facilmente. Infelizmente, a maioria das formas de cancro da boca diagnosticam-se somente quando o cancro já se propagou aos gânglios linfáticos do maxilar e do pescoço. Devido à detecção tardia, 25 % dos casos de cancro da boca são mortais.

Factores de risco

O risco de cancro da boca é maior nos fumadores ou em pessoas que consomem bebidas alcoólicas. É provável que a causa do cancro se deva à combinação de álcool e de tabaco, mais do que a um destes factores separadamente. Dois terços dos casos de cancro da boca afectam os homens, mas o hábito do tabaco entre as mulheres, cada vez mais espalhado durante as últimas décadas, faz com que esta diferença vá desaparecendo gradualmente.

O cigarro é uma das causas mais prováveis de cancro da boca, mais do que fumar charutos ou cachimbo. Uma zona castanha, plana e sardenta (a mancha do fumador) pode aparecer nos lábios sobre o ponto onde habitualmente se segura o cachimbo ou o cigarro. Somente uma biopsia (extracção de uma amostra de tecido para o seu exame ao microscópio) pode determinar se a mancha é cancerosa.

As irritações repetidas que os bordos de um dente partido podem causar, as obturações ou a prótese dentária (como coroas e pontes) podem aumentar o risco de cancro da boca. As pessoas que sofreram de algum tipo de cancro oral estão sujeitas a um maior risco de contrair outras formas de cancro.

Sintomas e diagnóstico

O cancro da boca aparece com maior frequência nos lados da língua, no pavimento da boca e na parte posterior do palato (palato mole). As formas cancerosas da língua e do pavimento da boca são habitualmente carcinomas de células escamosas. O sarcoma de Kaposi é um cancro dos vasos sanguíneos próximos da pele. É mais frequente na boca, habitualmente no palato das pessoas que sofrem de SIDA.

O cancro localiza-se frequentemente no interior das bochechas e dos lábios das pessoas que mascam e aspiram tabaco. Estas formas de cancro são muitas vezes carcinomas verrugosos de crescimento lento.

O melanoma, um cancro que habitualmente se desenvolve na pele, aparece com menor frequência na boca. Recomenda-se a ida ao médico, ou ao dentista, se alguma zona da boca apresentar uma alteração de cor recente, parda ou escura, dado que pode tratar-se de um melanoma. No entanto, não se deve confundir um melanoma com as áreas de pigmentação normal da boca, como acontece com algumas famílias, particularmente entre as pessoas de pele escura e algumas populações do Mediterrâneo.

Língua

O cancro da língua é invariavelmente indolor na sua fase inicial e detecta-se habitualmente durante um exame odontológico de rotina.

É característico o cancro aparecer nos lados da língua, embora raramente se desenvolva por cima desta, com excepção de alguém afectado durante anos por sífilis não tratada. Os carcinomas de células escamosas da língua muitas vezes aparecem como úlceras abertas e tendem a crescer para dentro das estruturas subjacentes.

Uma zona avermelhada na boca (eritroplasia) é uma lesão precursora de cancro. Alguém a quem apareça uma zona avermelhada nos bordos da língua deve dirigir-se ao médico ou ao dentista.

Pavimento da boca

O cancro do pavimento da boca é invariavelmente indolor na sua fase inicial e, geralmente, detecta-se durante um exame odontológico de rotina. Tal como o cancro da língua, esta forma de cancro é habitualmente um carcinoma de células escamosas que tem um aspecto de úlceras abertas e tende a crescer para dentro das estruturas subjacentes.

Alguém a quem apareça uma zona avermelhada (eritroplasia) no pavimento da boca deve dirigir-se ao médico ou ao dentista porque isso pode indicar a existência de um cancro. 

Palato mole

O cancro do palato mole pode ser um carcinoma de células escamosas ou um cancro que começa nas pequenas glândulas salivares do palato mole. O carcinoma de células escamosas muitas vezes tem o aspecto de uma úlcera. Frequentemente, o cancro que começa nas pequenas glândulas salivares aparece como uma inflamação ligeira.

Revestimento da boca

Quando o revestimento interno da boca (mucosa bucal) se irrita durante muito tempo, pode desenvolver-se uma mancha branca e plana que não sai esfregando (leucoplasia). O ponto irritado aparece branco porque se trata de uma camada espessada de uma substância chamada queratina que cobre a parte mais externa da pele e que normalmente é menos abundante no revestimento da boca. Ao contrário de outras áreas brancas que se desenvolvem na boca, geralmente pela acumulação de alimentos, bactérias ou fungos, a leucoplasia não se pode limpar. Quase sempre a leucoplasia é o resultado de uma resposta de protecção normal da boca contra outras feridas. Mas no processo de formação desta cobertura protectora, algumas células podem transformar-se em cancerosas.

Em contraste, uma zona avermelhada da boca (eritroplasia) aparece em consequência de um adelgaçamento da mucosa bucal. A zona aparece vermelha porque os capilares subjacentes são mais visíveis. A eritroplasia é uma lesão que precede um cancro de um modo muito mais alarmante que a leucoplasia. A pessoa que tenha qualquer área vermelha na boca deve dirigir-se ao médico ou ao dentista.

Uma úlcera é uma ferida que se forma no revestimento da boca quando a camada das células superiores se deteriora, deixando ver o tecido subjacente. A úlcera é branca, devido às células mortas que estão no interior da ferida. As úlceras da boca são, com frequência,. o resultado da irritação ou de uma ferida nos tecidos, por exemplo, quando se morde acidentalmente ou se lesiona a parte interna da bochecha. Outras causas são as aftas e as substâncias irritantes, como a aspirina no caso de se manter contra as gengivas. As úlceras não cancerosas são invariavelmente dolorosas. Uma úlcera que não doa e dure mais de 10 dias pode ser pré-cancerosa ou cancerosa e deve ser examinada por um médico ou um dentista.

Uma pessoa que masque tabaco ou use rapé pode desenvolver um rebordo branco com cristas na parte interna das bochechas. Estas tumefacções podem transformar-se num carcinoma verrugoso.

Gengivas

Uma tumefacção visível ou uma zona elevada na gengiva não é causa de alarme. No entanto, se tais factores não forem consequência de abcessos periodontais ou do abcesso de um dente, pode tratar-se de um tumor não canceroso provocado por irritação. Os tumores não cancerosos são relativamente frequentes e, se for necessário, podem extirpar-se facilmente por cirurgia. Dado que o factor de irrigação permanece, as recidivas dos tumores não cancerosos apresentam-se entre 10 % e 40 % das pessoas. Se o factor irritante for uma dentadura postiça mal adaptada, esta deve ajustar-se ou ser substituída.

Lábios

Os lábios, com maior frequência o inferior, podem sofrer danos pelo sol (queilose actínica), que se manifesta com gretas nos lábios e alteração da cor (de vermelho, branco ou vermelho-esbranquiçado ao mesmo tempo). O médico, ou o dentista, pode fazer uma biopsia para determinar se estas manchas desiguais são cancerosas. Em climas soalheiros é mais comum o cancro da parte externa do lábio. O cancro do lábio e de outras partes da boca é muitas vezes duro ao tacto e está aderente ao tecido subjacente, enquanto a maioria das tumefacções não cancerosas nestas zonas se movem com facilidade. As anomalias do lábio superior são menos comuns do que as do lábio inferior, mas são mais propensas a transformarem-se num cancro e requerem cuidados médicos.

Uma pessoa que masca ou aspira tabaco pode desenvolver bordos brancos com cristas na parte interna dos lábios, que podem transformar-se num carcinoma verrugoso.

Cancro ao nível do lábio inferior

Glândulas salivares

Os tumores das glândulas salivares podem ser cancerosos ou não cancerosos. Podem surgir em qualquer dos três pares das principais glândulas salivares: a glândula parótida (na parte lateral da cara, em frente do ouvido), a glândula submaxilar (debaixo da parte lateral do maxilar inferior) ou a glândula sublingual (no pavimento da boca em frente da língua). Podem também desenvolver-se tumores nas glândulas salivares menores, que estão dispersas por todo o revestimento da boca. O crescimento inicial dos tumores das glândulas salivares pode ser doloroso ou não. Os tumores cancerosos tendem a crescer rapidamente e são duros ao tacto. 

Maxilar inferior

Vários tipos de quistos não cancerosos provocam dor e inchaço no maxilar inferior. Muitas vezes, estão próximos de um molar do siso que não se pode desenvolver, por ser impedido pelo próprio maxilar, e, embora não sejam cancerosos, podem destruir áreas consideráveis do maxilar à medida que se propagam. Certos tipos de quistos são mais propensos a repetir-se. Os odontomas são tumores duros não cancerosos, de estrutura parecida com a do dente e com o aspecto de pequenos dentes adicionais e deformados. Dado que podem ocupar o lugar dos dentes normais ou interferir no seu crescimento, muitas vezes têm de ser extraídos cirurgicamente.

Frequentemente, o cancro do maxilar inferior produz dor e um mal-estar parecido com a sensação de um anestésico bucal à medida que vai perdendo o seu efeito. Geralmente, as radiografias não distinguem o cancro do maxilar dos quistos, tumores ósseos não cancerosos, nem das formas cancerosas que se propagaram de outras partes do organismo. No entanto, as radiografias habitualmente detectam os bordos irregulares do cancro do maxilar e podem mostrar se o cancro consumiu as raízes dos dentes mais próximos. Geralmente, para confirmar um diagnóstico de cancro do maxilar, requer-se uma biopsia (extracção de uma amostra de tecido e o seu exame ao microscópio).

Tumor unilateral da parótida que provoca uma paralisia facial do lado esquerdo

Prevenção e tratamento

O risco de cancro dos lábios reduz-se protegendo-se do sol. Evitar o consumo excessivo de álcool e de tabaco pode prevenir a maioria das formas de cancro da boca. Outra das medidas preventivas consiste em reparar os bordos ásperos de dentes quebrados ou das obturações. Alguma evidência indica que as vitaminas antioxidantes, como as vitaminas C e E e os betacarotenos, podem servir de protecção adicional, mas necessita-se de mais estudos a esse respeito. Se os danos do sol afectam uma extensa área dos lábios, uma raspagem que retire toda a superfície externa, com meios cirúrgicos ou com raios laser, pode prevenir a evolução para formas de cancro.

A eficácia do tratamento de cancro bucolabial depende em grande medida da sua evolução. É raro que o cancro da boca se propague a outros pontos do organismo; no entanto, tende a invadir a cabeça e o pescoço. Se se extirparem a totalidade do cancro e os tecidos normais circundantes antes de o cancro se ter propagado para os gânglios linfáticos, a possibilidade de cura é alta. Se o cancro se propagou aos gânglios linfáticos, a cura é muito menos provável. Durante a intervenção cirúrgica extirpam-se, para além do cancro, os gânglios por baixo e à frente do maxilar inferior e os que se encontram ao longo do pescoço. A cirurgia para as formas de cancro da boca pode ser desfigurante e psicologicamente traumática.

Uma pessoa com cancro da boca ou da garganta pode receber radioterapia e cirurgia ou apenas radioterapia. A radioterapia destrói muitas vezes as células salivares, deixando a boca seca, o que pode trazer cáries e outros problemas dentários. Dado que os maxilares não saram bem quando são expostos à radiação, os problemas dentários tratam-se antes de administrar a radiação. Qualquer dente que possa ser problemático extrai-se, deixando decorrer o tempo necessário para a sua cicatrização. Uma boa higiene dentária é importante para as pessoas que recebem radioterapia por causa do cancro da boca. Esta higiene consiste em exames periódicos e um meticuloso cuidado em casa, com aplicações diárias de flúor. Depois de uma extracção, a terapia hiperbárica de oxigénio pode contribuir para o restabelecimento do maxilar.

O benefício terapêutico da quimioterapia é limitado para o cancro da boca. As pedras angulares do tratamento são a cirurgia e a radioterapia.



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)