Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Linfangiectasia intestinal


A linfangiectasia intestinal (hipoproteinemia idiopática) é um problema das crianças e dos adultos jovens, em que se dilatam os vasos linfáticos da mucosa do intestino delgado.

O aumento de tamanho dos vasos linfáticos pode ser um defeito congénito. Mas na idade adulta pode ser consequência da inflamação do pâncreas (pancreatite) ou do endurecimento do saco que reveste o coração (pericardite constritiva) (Ver secção 3, capítulo 22) o que aumenta a pressão no sistema linfático.

Sintomas e diagnóstico

Uma pessoa com linfangiectasia tem uma retenção maciça de líquidos (edema) devido ao facto de o líquido dos tecidos não poder ser drenado de forma eficiente através dos vasos linfáticos dilatados e obstruídos. O edema pode afectar diferentes partes do organismo de forma irregular, dependendo de quais são os vasos linfáticos afectados. Por exemplo, o líquido pode acumular-se na cavidade abdominal ou na pleural.

Também podem surgir náuseas, vómitos, diarreia ligeira e dor abdominal e diminuir o número de linfócitos no sangue. Perdem-se proteínas porque a linfa se escapa dos vasos linfáticos para o intestino e para as fezes e, portanto, baixa o valor das proteínas no sangue. Estes baixos valores de proteínas podem provocar um maior edema dos tecidos. Os valores de colesterol no sangue podem ser anormalmente baixos devido ao facto de a sua absorção ser deficiente. Alguns doentes têm fezes com grande conteúdo de gordura.

Para auxiliar o diagnóstico desta afecção, o médico pode dar uma injecção endovenosa de albumina marcada com uma substância radioactiva. Se surgirem concentrações anormais desta substância nas fezes, significa que há uma perda excessiva de proteínas. Uma biopsia do intestino delgado evidencia que os vasos linfáticos estão dilatados.

Tratamento

A linfangiectasia intestinal trata-se corrigindo a causa da dilatação dos vasos linfáticos. Por exemplo, pode-se aliviar a pressão dos vasos linfáticos tratando a pericardite constritiva.

Alguns pacientes melhoram com uma dieta baixa em gorduras e tomando suplementos de certos triglicéridos que, depois de serem absorvidos, passam directamente para o sangue e não através dos vasos linfáticos. Se estiver afectada apenas uma pequena parte do intestino, esta pode ser extirpada cirurgicamente.



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)