Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Hidronefrose


A hidronefrose é a distensão (dilatação) do rim pela urina, causada pela pressão de retorno sobre o rim quando se obstrui o fluxo.

Normalmente, a urina sai dos rins a uma pressão extremamente baixa. Se o fluxo da urina for obstruído, esta reflui para os pequenos tubos do rim e para a zona central de colheita (bacinete ou pélvis renal), dilatando o rim e exercendo pressão sobre os seus delicados tecidos. A pressão causada por uma hidronefrose prolongada e grave lesa finalmente os rins de tal forma que se interrompe gradualmente o funcionamento dos mesmos.

Causas

A hidronefrose é frequentemente causada por uma obstrução da união ureteropélvica (uma obstrução localizada no ponto de conexão do ureter e da pélvis renal). As causas são as seguintes:

  • Anomalias estruturais, por exemplo, quando a união do ureter à pélvis renal é demasiado alta.
  • Uma torção nesta união consequência de um deslocamento do rim para baixo.
  • Cálculos no bacinete renal.
  • Compressão do ureter por faixas fibrosas, por uma artéria ou veia localizada anormalmente ou por um tumor.

A hidronefrose também pode ser produzida por uma obstrução por baixo da união do ureter e da pélvis renal ou por refluxo da urina desde a bexiga. As causas compreendem as seguintes:

  • Cálculo no ureter.
  • Tumores no ureter ou perto do mesmo.
  • Estreitamento do ureter em resultado de um defeito de nascença, de uma lesão, de uma infecção, de radioterapia ou cirurgia.
  • Perturbações dos músculos ou dos nervos do ureter ou da bexiga.
  • Formação de tecido fibroso no ureter ou à volta do mesmo provocada por cirurgia, raios X ou medicamentos (especialmente metisergida).
  • Um ureterocele (deslizamento da extremidade inferior de um ureter dentro da bexiga).
  • Cancro na bexiga, no colo do útero, na próstata ou em outros órgãos pélvicos.
  • Uma obstrução que impeça que a urina passe da bexiga para a uretra, quer seja por um aumento do tamanho da próstata, quer por uma inflamação ou cancro da mesma.
  • Refluxo da urina desde a bexiga para o ureter, provocado por um defeito de nascença ou por uma lesão.
  • Uma infecção grave das vias urinárias que impeça temporariamente que o ureter se contraia.

Em algumas ocasiões, a hidronefrose produz-se durante a gravidez se o útero aumentado comprimir os ureteres. As alterações hormonais durante a gravidez podem agravar o problema pela redução das contracções dos ureteres que normalmente fazem passar a urina para a bexiga. Este tipo de hidronefrose geralmente termina ao finalizar a gravidez, embora a pélvis renal e os ureteres possam ficar posteriormente um pouco dilatados.

A distensão da bacinete renal durante muito tempo pode inibir as contracções musculares rítmicas que normalmente fazem passar a urina dos ureteres para a bexiga. O tecido fibroso não funcional pode substituir o tecido muscular normal das paredes do ureter, dando como resultado uma lesão permanente.

Hidronefrose:um rim dilatado

Na hidronefrose, o rim encontra-se dilatado porque o fluxo da urina está obstruído e esta regressa para os pequenos tubos do rim e para a zona central de colheita (bacinete ou pélvis renal).

1-Rim normal

2-Rim dilatado

Sintomas

Os sintomas dependem da causa da obstrução, sua localização e duração. Quando a obstrução começa rapidamente (hidronefrose aguda), produz em geral uma cólica renal (dor aguda intermitente e muito forte no flanco, na zona localizada entre as costelas e a anca, sobre o lado afectado). Quando progride lentamente (hidronefrose crónica), pode não produzir sintomas, ou então haver ataques de dor surda no flanco do lado afectado. O médico pode notar ao tacto uma massa no flanco de um lactente ou de uma criança, especialmente quando o rim está muito aumentado. A hidronefrose pode ser um processo que evolui com uma dor terrível de forma intermitente, em resultado de um excessivo tempo de acumulação da urina na pélvis renal ou da obstrução transitória do ureter causada por um rim que se deslocou para baixo.

Cerca de 10 % das pessoas com hidronefrose têm sangue na urina. As infecções das vias urinárias, com pus na urina (identificado geralmente numa análise complementar), febre e queixas na zona da bexiga ou do rim, são bastante frequentes. Quando se obstrui o fluxo da urina, podem formar-se pedras (cálculos). As análises de sangue podem detectar uma alta concentração de ureia, que indica que os rins não estão a eliminar quantidades suficientes deste produto residual do sangue. A hidronefrose pode causar leves sintomas intestinais, como náuseas, vómitos e dores abdominais. Estes sintomas por vezes surgem nas crianças com hidronefrose provocada por um defeito de nascença, em que a união da pélvis renal e do ureter é demasiado estreita. Se este processo não for tratado, a hidronefrose acaba por lesar os rins e pode terminar em insuficiência renal.

Diagnóstico

Para diagnosticar a hidronefrose utilizam-se vários procedimentos. A ecografia pode proporcionar boas imagens dos rins, dos ureteres e da bexiga e é especialmente útil nas crianças. Por meio de uma urografia endovenosa, os rins podem ser radiografados depois da inoculação no sangue de uma substância radiopaca, a qual pode ser vista através de raios X. Podem obter-se imagens com raios X da bexiga e da uretra depois de a substância radiopaca injectada ter passado através dos rins ou depois de se ter introduzido essa substância nas vias urinárias através da uretra (urografia retrógrada). Estes exames podem oferecer informação acerca do fluxo urinário através dos rins. A cistoscopia, em que um tubo de observação que contém um dispositivo de fibra óptica se introduz no interior da uretra, é usada para observar directamente o interior da bexiga.

Tratamento e prognóstico

As infecções das vias urinárias e a insuficiência renal, quando estão presentes, devem ser rapidamente tratadas.

Na hidronefrose aguda, a urina que se acumulou no rim acima da obstrução, deve ser drenada o mais depressa possível (geralmente com uma agulha introduzida através da pele) quando a função renal diminuiu, a infecção persiste ou a dor é forte. Se a obstrução for completa, a infecção for grave ou houver cálculos, pode-se introduzir temporariamente através de um lado do corpo um cateter no interior do bacinete renal, para drenar a urina.

A hidronefrose crónica corrige-se por meio do tratamento da causa e da eliminação da obstrução urinária.

Se existir uma porção estreita ou anormal de um ureter, esta pode ser extirpada cirurgicamente e depois unem-se as extremidades cortadas. Por vezes é necessária a cirurgia para libertar os ureteres do tecido fibroso. Quando a união dos ureteres com a bexiga está obstruída, podem desprender-se cirurgicamente os ureteres e depois ligá-los a outra zona da bexiga.
Quando se obstrui a uretra, o tratamento pode incluir medicamentos (como uma terapia hormonal contra o cancro da próstata), a cirurgia ou a dilatação da uretra por meio de dilatadores. Podem ser necessários outros tratamentos para os cálculos que obstruem a passagem da urina.

A cirurgia para corrigir a hidronefrose aguda em um ou em ambos os rins geralmente é eficaz sempre que a infecção possa ser controlada e os rins funcionem adequadamente. O prognóstico é menos optimista para a hidronefrose crónica.



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)