Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Tendência para as «nódoas negras» (hematomas ou equimoses)


As tendências para as «nódoas negras» deve-se à fragilidade dos capilares cutâneos. Sempre que estes pequenos vasos se rompem, perde-se uma pequena quantidade de sangue, criando pontos avermelhados na pele (petéquias) e hemorragias de cor púrpura-azulada (púrpura).

As mulheres parecem ser mais propensas do que os homens aos hematomas como consequência de contusões menores, especialmente nas coxas, nádegas e na parte superior dos braços. Por vezes a tendência para a «nódoa negra» é hereditária. Na maioria dos casos, esta tendência não é nada importante, mas pode ser sinal do mau funcionamento dos factores de coagulação do sangue, provavelmente das plaquetas. Na realidade, as análises de sangue podem determinar se existe esse problema.

Nas pessoas adultas, em especial nas que apanham muito sol, é frequente aparecerem hemorragias no dorso da mão e nos antebraços (púrpura senil).

Os idosos são especialmente susceptíveis aos hematomas por pancadas e quedas devido à fragilidade dos seus vasos e por possuírem uma camada de gordura muito delgada por baixo da pele, que normalmente cumpre a função de amortecer as pancadas. O sangue que sai dos vasos lesados forma nódoas de cor púrpura (hematomas). Estes hematomas podem durar muito tempo, ficando com uma cor verde-clara, amarela ou castanha.

Isto não constitui uma doença e, portanto, não requer qualquer tratamento. Tentar evitar as lesões contribui para reduzir as «nódoas negras».



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)