Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Baço grande


Quando o baço aumenta de tamanho (esplenomegalia), aumenta a sua capacidade de capturar e armazenar células sanguíneas. A esplenomegalia pode reduzir a quantidade de glóbulos vermelhos e brancos, assim como a quantidade de plaquetas presentes na circulação.

Muitas doenças aumentam o tamanho do baço, desde um cancro do sangue a infecções crónicas.

Quando o baço dilatado capta uma grande quantidade de células sanguíneas anormais, estas obstruem-no e interferem no seu funcionamento. Este processo pode originar um círculo vicioso. Quantas mais células o baço apanha, mais aumenta; e quanto mais aumenta, mais células apanha.

Quando o baço elimina demasiadas células sanguíneas da circulação (hiperesplenismo), podem-se originar diversos problemas, como anemia (quantidade escassa de glóbulos vermelhos), infecções frequentes (devido à reduzida quantidade de glóbulos brancos) e perturbações hemorrágicas (por falta de plaquetas). Finalmente, o baço demasiado grande também capta células sanguíneas normais e destrói-as juntamente com as anormais.

Sintomas

O baço dilatado não causa muitos sintomas e nenhum deles indicia a causa específica da perturbação. Devido a que o baço dilatado se encontra junto do estômago e o pressiona, o doente pode sentir-se cheio depois de ter ingerido um pouco de alimento ou mesmo sem ter ingerido nada. Também pode sentir dores no abdómen ou nas costas ou na zona do baço; a dor pode chegar ao ombro esquerdo, especialmente se algumas partes do baço não recebem sangue suficiente e começam a destruir-se.

Diagnóstico

Em geral, o médico palpa o baço grande durante um exame físico. A radiografia do abdómen também revela o aumento de volume do baço. Em alguns casos é necessário recorrer à tomografia axial computadorizada (TAC) para determinar o tamanho do baço e a pressão exercida sobre outros órgãos. A ressonância magnética (RM) oferece informação semelhante e também revela o fluxo de sangue no baço. Outros estudos especializados utilizam partículas ligeiramente radioactivas para avaliar o volume do baço e a sua função, assim como para determinar se estão a acumular-se ou a ser destruídas grandes quantidades de células sanguíneas.

As análises de sangue mostram uma redução das quantidades de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. Quando os glóbulos vermelhos são examinados ao microscópio, a forma e o tamanho podem proporcionar pistas sobre a causa do aumento do baço. O exame de medula óssea (Ver secção 14, capítulo 152) pode detectar cancro das células sanguíneas (como leucemia ou linfoma) ou acumulação de substâncias não desejadas (como as doenças de depósito). Estas perturbações podem aumentar o volume do baço.

Os valores das proteínas contribuem para afastar doenças como o mieloma múltiplo, a amiloidose, o paludismo, o kala-azar, a brucelose, a tuberculose e a sarcoidose. Medem-se os valores de ácido úrico (produto de excreção presente no sangue e na urina) e os da fosfatase alcalina leucocitária (enzima presente em algumas células sanguíneas) para determinar a presença de certas leucemias e linfomas. Os controlos da função do fígado contribuem para determinar se existe lesão no fígado além da do baço.

Tratamento

Quando é possível, o médico trata a doença responsável pelo aumento do volume do baço. A extracção do baço, em geral, não é necessária e pode causar problemas, entre os quais figura a susceptibilidade a infecções graves. Contudo, vale a pena correr estes riscos nas situações críticas seguintes: quando o baço destrói os glóbulos vermelhos tão rapidamente que origina anemia grave; quando destrói depósitos de glóbulos brancos e plaquetas ao ponto de existir uma tendência para sofrer infecções e hemorragias; quando é tão grande que causa dor ou exerce pressão sobre outros órgãos; ou quando é tão grande que algumas das suas partes sangram ou morrem. Como alternativa à cirurgia, por vezes utiliza-se a radioterapia para reduzir o volume do baço.




Causas do aumento de volume do baço

Infecções

  • Hepatite
  • Mononucleose infecciosa
  • Psitacose
  • Endocardite bacteriana subaguda
  • Brucelose
  • Kala-azar
  • Paludismo
  • Sífilis
  • Tuberculose

Anemias

  • Eliptocitose hereditária
  • Esferocitose hereditária
  • Anemia drepanocítica (principalmente nas crianças)
  • Talassemia

Cancros do sangue e perturbações proliferativas

  • Doença de Hodgkin e outros linfomas
  • Leucemia
  • Mielofibrose
  • Policitemia vera

Doenças inflamatórias

  • Amiloidose
  • Síndroma de Felty
  • Sarcoidose
  • Lúpus eritematoso sistémico

Doenças do fígado

  • Cirrose hepática

Doenças por depósito

  • Doença de Gaucher
  • Doença de Hand-Schüller-Christian
  • Doença de Letterer-Siwe
  • Doença de Niemann-Pick

Outras causas

  • Quistos no baço
  • Compressão externa das veias que saem do baço ou das que se dirigem para o fígado
  • Coágulo de sangue numa veia que sai do baço ou na que se dirige para o fígado


Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)