Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Peste


A peste é uma infecção grave causada pela bactéria Yersinia pestis.

As bactérias que causam a peste infectam principalmente roedores selvagens, como as ratazanas, os ratos, os esquilos e as marmotas das pradarias. No passado, as extensas epidemias de peste, como a peste negra da Idade Média, mataram uma grande quantidade de pessoas. Os surtos mais recentes limitaram-se a uma única pessoa ou a grupos reduzidos.

A peste costuma ser transmitida às pessoas por meio das pulgas dos animais. Um acesso de tosse ou então um espirro, que dispersam bactérias através de gotas minúsculas, podem transmitir a doença de uma pessoa para a outra. Alguns animais domésticos, em especial os gatos, também podem fazê-lo por intermédio das picadas de pulga ou pela inalação de gotículas infectadas.

Sintomas e diagnóstico

A peste pode adoptar uma ou várias formas (bubónica, pneumónica, septicémica ou peste menor). Os sintomas variam segundo a forma de peste.

Os sintomas da peste bubónica costumam aparecer de 2 a 5 dias após a exposição à bactéria, mas podem fazê-lo em qualquer momento, desde as primeiras horas até 12 dias mais tarde. Os sintomas começam subitamente com arrepios e febre até 41ºC. O batimento cardíaco acelera-se e enfraquece, de tal modo que a tensão arterial pode baixar. Os gânglios linfáticos inflamam-se (recebendo o nome de bubões) quando a febre começa ou mesmo um pouco antes. Em geral, os gânglios são extremamente dolorosos ao tacto, são duros e encontram-se rodeados de tecido edemaciado. A pele que os cobre é lisa e avermelhada, mas não mostra temperatura aumentada. É provável que o doente esteja inquieto, delirante, confuso e descoordenado. O fígado e o baço podem aumentar consideravelmente de volume, pelo que o médico os pode sentir facilmente à palpação. É possível que os gânglios linfáticos se encham de pus e drenem durante a segunda semana. Mais de 60 % das pessoas não tratadas morrem. A maioria das mortes verifica-se entre o terceiro e o quinto dia.

A peste pneumónica é uma infecção dos pulmões pelas bactérias da peste. Os sintomas, que começam abruptamente de 2 a 3 dias após a exposição às bactérias, são febre elevada, arrepios, ritmo cardíaco acelerado e, com frequência, dores de cabeça intensas. Em 24 horas começa a tosse. De início a expectoração é clara, mas começa rapidamente a apresentar sinais de sangue, até se tornar uniformemente rosada ou de cor vermelha intensa (semelhante a xarope de framboesa) e espumosa. É frequente o doente respirar rapidamente e com dificuldade. As pessoas não tratadas morrem geralmente dentro das 48 horas seguintes ao início dos sintomas.

A peste septicémica, outra variedade de peste, é uma infecção na qual a forma de peste bubónica se propaga ao sangue. Pode causar a morte mesmo antes de aparecerem outros sintomas da peste bubónica ou pneumónica.

A peste menor é uma forma ligeira de peste que costuma aparecer apenas na área geográfica em que a doença é endémica. Os seus sintomas (gânglios linfáticos inchados, febre, dor de cabeça e esgotamento) persistem ao longo de uma semana.

A peste é diagnosticada analisando as culturas das bactérias que cresceram a partir das amostras de sangue, expectoração ou gânglios linfáticos.

Prevenção e tratamento

A prevenção baseia-se no controlo dos roedores e no uso de repelentes para evitar as picadas das pulgas. Existe uma vacina, mas ela não é necessária para a maioria das pessoas que viaja para zonas onde se tenham verificado casos de peste. Aqueles que viajam e correm grandes riscos de exposição à doença podem tomar doses preventivas de tetraciclinas.

Quando se pensa que uma pessoa tem peste, o médico começa de imediato o tratamento. Na peste septicémica ou pneumónica, deve-se fazê-lo dentro de 24 horas. Isso reduz a possibilidade de morte a menos de 5 %. São muitos os antibióticos que se mostram eficazes contra esta afecção.

Diferentemente das pessoas afectadas de peste bubónica, as que sofrem de peste pneumónica devem ser isoladas. Quem tenha estado em contacto com alguém afectado de peste pneumónica deve ser observado atentamente para detectar se surgem sinais de infecção e se necessita de tratamento.



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)