Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Verrugas genitais


As verrugas genitais (Condylomata acuminata) são lesões localizadas na ou à volta da vagina, no pénis ou no recto, causadas por papilomavírus transmitidos sexualmente.

As referidas verrugas são frequentes e causam preocupação porque têm um aspecto repulsivo; podem superinfectar-se com bactérias e talvez indiquem que o sistema imunológico não funciona bem. Nas mulheres, os papilomavírus tipos 16 e 18, que afectam o colo do útero mas não formam verrugas nos órgãos genitais externos, podem causar cancro cervical. (Ver secção 22, capítulo 239) Este e outros tipos de papilomavírus podem provocar displasia intra-epitelial cervical (demonstrada por um resultado anormal num esfregaço de Papanicolau) ou cancro da vagina, da vulva, do ânus, do pénis, da boca, da faringe ou do esófago.

Sintomas e diagnóstico

Estas lesões costumam formar-se nas superfícies húmidas e quentes do corpo. Nos homens, as zonas mais frequentes do corpo são a cabeça e o corpo do pénis e debaixo do prepúcio (se o pénis não foi circuncidado). Nas mulheres, formam-se na vulva, na parede vaginal, no colo do útero e na pele que rodeia a área vaginal. As verrugas genitais podem aparecer na zona que rodeia o ânus e no recto, especialmente nos homens homossexuais e nas mulheres que praticam sexo anal.

As verrugas geralmente aparecem de 1 a 6 meses depois da infecção e começam como pequenas protuberâncias moles, húmidas e de cor rosada ou vermelha. Crescem rapidamente e podem desenvolver pedúnculos. Na mesma zona costumam aparecer numerosas verrugas e as suas superfícies ásperas conferem-lhes a aparência de uma pequena couve-flor. Podem crescer rapidamente nas mulheres grávidas, nos imunodeprimidos (por exemplo, porque estão doentes com SIDA ou porque efectuaram um tratamento com fármacos imunossupressores) e nos que apresentam inflamação na pele.

Estas lesões genitais costumam ser diagnosticadas pela sua aparência. Contudo, podem ser confundidas com úlceras que aparecem no segundo estádio da sífilis. As verrugas de aspecto estranho ou persistentes podem ser extraídas cirurgicamente e analisadas ao microscópio para se ter a certeza de que não são cancerosas. As mulheres que têm verrugas no colo deverão fazer o esfregaço para a prova de Papanicolau regularmente.

Tratamento

Nenhum tratamento é completamente satisfatório. As verrugas genitais podem ser eliminadas por laser, crioterapia (congelamento) ou cirurgia, utilizando anestesia local. Os tratamentos com substâncias químicas, como resina podófila ou toxina purificada ou ácido tricloroacético, são aplicados directamente sobre as verrugas. No entanto, este sistema pressupõe efectuarem-se várias aplicações ao longo de semanas ou meses, costuma queimar a pele circundante e falha com bastante frequência. As verrugas na uretra são tratadas com medicamentos anticancerosos, como tiotepa e fluorouracilo. Alternativamente, estas podem ser eliminadas da uretra através de uma cirurgia endoscópica (um procedimento no qual se utiliza um tubo de visualização flexível com acessórios cirúrgicos). Actualmente, está-se a estudar a aplicação de injecções de interferão alfa directamente na verruga como um tratamento possível, mas ainda se desconhece a sua utilidade.

As verrugas genitais reaparecem com frequência e necessitam de novo tratamento. Nos homens, a circuncisão ajudará a evitar as recorrências. Todos os parceiros sexuais devem ser examinados e tratados, se for necessário.

Condilomas acuminados



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)