Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Eritema polimorfo


O eritema polimorfo é uma doença caracterizada pela presença na pele de lesões avermelhadas e salientes que têm o aspecto de alvos que, em geral, se distribuem simetricamente por todo o corpo.

Provavelmente, a causa de mais de metade dos casos é o herpes simples. Esta infecção vírica pode tornar-se evidente antes do eritema polimorfo aparecer. No resto dos casos, as causas possíveis incluem praticamente todos os fármacos (geralmente as penicilinas, as sulfamidas e os barbitúricos), bem como outras doenças infecciosas (por exemplo, a infecção pelo vírus Coxsackie ou pelo vírus ECHO, a pneumonia por micoplasma, a psitacose e a histoplasmose). Em situações excepcionais algumas vacinas provocam eritema polimorfo. Os médicos desconhecem o mecanismo pelo qual o herpes simples e certos fármacos provocam esta doença, mas suspeita-se que a causa seja uma reacção alérgica.

Sintomas

Regra geral, o eritema polimorfo surge de improviso, com manchas avermelhadas e vesículas que se formam mais frequentemente nas palmas das mãos ou nas plantas dos pés, bem como na cara. As vesículas localizadas nos lábios e na mucosa bucal podem sangrar. O eritema polimorfo provoca manchas planas, circulares e avermelhadas distribuídas por igual de ambos os lados do corpo. Estas zonas podem converter-se em anéis concêntricos escuros, com centros cinzento-púrpura (lesões em alvo ou em íris). As zonas avermelhadas por vezes provocam comichão. Uma pessoa com eritema polimorfo pode apresentar úlceras frias (ou tê-las tido anteriormente), sentir-se cansada e ter dores nas articulações, além de febre. Os surtos de eritema polimorfo podem durar 2 a 4 semanas e podem repetir-se no Outono e na Primavera, durante vários anos.

A síndroma de Stevens-Johnson (na qual as vesículas aparecem na face interna da boca, da garganta, do ânus, da região genital e dos olhos) é uma forma muito grave do eritema polimorfo. No resto da pele podem aparecer zonas avermelhadas. As lesões na mucosa da boca criam dificuldades ao comer e até fechar a boca pode ser doloroso, pelo que por vezes a pessoa se baba. Os olhos podem doer intensamente, inflamar-se e encher-se tanto de pus que ficam hermeticamente fechados. A córnea pode apresentar cicatrizes. O orifício por onde sai a urina pode também ser afectado e, como consequência, pode ser difícil e doloroso urinar.

Tratamento

O eritema polimorfo costuma curar-se por si só, mas a síndroma de Stevens-Johnson pode ser mortal. Os médicos devem tentar tratar todas as causas possíveis de infecções ou eliminar qualquer fármaco suspeito. Quando se crê que a causa do eritema polimorfo é o herpes simples, costuma administrar-se aciclovir oral.

As vesículas ou úlceras da pele cobrem-se com compressas de água corrente. É possível usar corticosteróides orais nos casos graves, persistentes ou recidivantes, mas a sua utilização é muito discutida.

Ao menor sinal de infecção, prescrevem-se antibióticos. Quando o eritema polimorfo impede de comer ou beber, a alimentação e os líquidos devem ser administrados por via endovenosa.



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)