Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Tinha


A tinha é uma infecção micótica da pele provocada por diversos fungos e que geralmente se classifica conforme a sua localização no corpo.

O pé-de-atleta (tinha dos pés) é uma infecção micótica frequente que costuma aparecer durante os meses quentes. É causada habitualmente tanto pelo Trichophyton como pelo Epidermophyton, fungos que podem crescer nos espaços interdigitais quentes e húmidos dos pés. O fungo pode provocar uma descamação muito ligeira sem apresentar outros sintomas, ou então uma descamação mais importante com uma erupção pruriginosa, dolorosa e que deixa a pele em carne viva entre os dedos e nos bordos laterais dos pés. Também se podem formar bolhas cheias de líquido. Como o fungo pode provocar o rompimento da pele, o pé-de-atleta pode acarretar uma infecção bacteriana, sobretudo em pessoas de idade e indivíduos com uma irrigação sanguínea deficiente dos pés.

A comichão dos suspensórios (tinha inguinal) pode ser provocada por vários fungos e leveduras. É muito mais frequente em homens do que em mulheres e costuma aparecer durante os meses quentes. A infecção provoca áreas vermelhas e anulares, por vezes com formação de pequenas bolhas na pele que rodeia as virilhas e na parte superior da face interna das coxas. Este processo pode provocar comichão intensa e pode até ser doloroso. É frequente a recidiva, já que os fungos podem persistir indefinidamente sobre a pele. Mesmo com um tratamento apropriado, as pessoas susceptíveis podem apresentar infecções repetidas.

A tinha do couro cabeludo é causada pelo Trichophyton ou por outro fungo chamado Microsporum. A tinha do couro cabeludo é altamente contagiosa, especialmente entre as crianças. Pode provocar uma erupção vermelha descamativa bem mais pruriginosa, ou então placas de calvície sem erupção.

A tinha das unhas é uma infecção causada pelo Trichophyton. O fungo penetra na parte recém-formada da unha, provocando espessamento, perda de brilho e deformação da mesma. Esta infecção é muito mais frequente nas unhas dos pés do que nas das mãos. Uma unha infectada pode soltar-se do dedo do pé, partir-se ou descamar-se.

A tinha corporal também é causada pelo Trichophyton. A infecção normalmente provoca uma erupção de cor rosa ou vermelha que por vezes forma placas arredondadas com zonas claras no centro. A tinha corporal pode desenvolver-se em qualquer parte da pele.

A tinha da barba raramente se manifesta. A maioria das infecções cutâneas localizadas na zona da barba são causadas por bactérias e não for fungos.

Tratamento

A maioria das infecções micóticas da pele, excepto as do couro cabeludo e das unhas, são ligeiras e curam-se, frequentemente, com cremes de antimicóticos. Existem muitos cremes antifúngicos eficazes que se podem adquirir sem necessidade de prescrição médica. Geralmente, os pós antimicóticos não resultam bem no tratamento destas infecções. Os princípios activos das medicações antifúngicas são o miconazol, o clotrimazol, o econazol e quetoconazol.

Habitualmente, os cremes são aplicados duas vezes por dia e o tratamento deverá prolongar-se pelo menos entre 7 e 10 dias após a erupção ter desaparecido por completo. Se se interromper a aplicação do creme com demasiada rapidez, a infecção pode não se ter erradicado completamente e a erupção reaparecerá.

Podem decorrer vários dias até que os cremes antifúngicos produzam efeito. Enquanto isso, são utilizados cremes com corticosteróides para aliviar a comichão e a dor. A hidrocortisona em doses reduzidas é um fármaco de venda livre; os corticosteróides mais potentes requerem prescrição médica. Perante infecções mais graves ou persistentes, o médico pode prescrever uma terapia com griseofulvina durante vários meses, por vezes combinada com cremes antifúngicos. A griseofulvina, de administração oral, é muito eficaz, mas pode provocar efeitos colaterais como dores de cabeça, perturbações gástricas, fotossensibilidade, erupções, tumefacções e redução do número de glóbulos brancos. Após a interrupção do tratamento com griseofulvina, a infecção pode reaparecer. O médico também pode prescrever quetoconazol para tratar as infecções micóticas da pele. Tal como a griseofulvina, o quetoconazol por via oral pode apresentar importantes efeitos colaterais, como por exemplo perturbações hepáticas.

O facto de manter as zonas infectadas limpas e secas ajuda a evitar o aparecimento de novas infecções fúngicas e favorece a cura da pele. As áreas infectadas deverão lavar-se frequentemente com água e sabão e de seguida cobrir-se com pó de talco. Muitas vezes os médicos recomendam evitar pós que contenham amido de milho porque podem favorecer o desenvolvimento fúngico.

Se uma infecção micótica da pele supura, é possível que também tenha podido desenvolver-se uma infecção bacteriana. Esta infecção pode requerer tratamento com antibióticos. Alguns médicos prescrevem antibióticos que podem ser aplicados directamente sobre a pele; outros preferem antibióticos que devem ser administrados por via oral. A solução de Burow diluída ou o unguento de Whitfield (ambos de venda livre) também podem ser utilizados para secar a pele que supura.



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)