Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Nariz


O nariz é o órgão do olfacto e é o canal mais importante pelo qual entra e sai o ar dos pulmões. O nariz também acrescenta a ressonância à voz, e tanto os seios perinasais como os canais lacrimais vertem (drenam) nele o seu conteúdo.

A parte superior do nariz é formada por osso e a parte inferior por cartilagem. No seu interior há uma cavidade oca (cavidade nasal) dividida em dois canais pelo septo nasal, que se estende desde os orifícios nasais até à parte posterior da garganta. Uns ossos chamados cornetos nasais projectam-se para dentro da cavidade nasal, formando uma série de recessos. Esses recessos aumentam muito a superfície pela qual passa o ar. Uma membrana mucosa com muitos vasos sanguíneos reveste a cavidade nasal. A superfície ampliada e os abundantes vasos sanguíneos permitem que o nariz aqueça e humedeça rapidamente o ar que entra. As células da membrana mucosa segregam muco e têm projecções semelhantes às pestanas (cílios). Em geral, as partículas de pó que entram com o ar são retidas pelo muco e transportadas pelos cílios até à parte anterior do nariz ou para trás, até à garganta, e são assim eliminadas do canal respiratório. Esta acção ajuda a limpar o ar antes que ele chegue aos pulmões. O espirro limpa automaticamente os canais nasais em resposta à irritação, tal como a tosse limpa os pulmões.

Na parte superior da cavidade nasal encontram-se pequenas células receptoras. Estas células têm projecções, filamentos semelhantes às pestanas (cílios) que se estendem para baixo dentro da cavidade nasal, e fibras nervosas, que se estendem para cima até ao bulbo olfactivo, uma protuberância que se encontra na extremidade final de cada nervo olfactivo. Os nervos olfactivos (nervos do olfacto) chegam directamente ao cérebro. (Ver imagem da secção 6, capítulo 72)

O sentido do olfacto, que ainda hoje não se consegue compreender muito bem, é muito mais sofisticado do que o sentido do paladar. Os diferentes odores são muito mais numerosos do que os sabores. O sentido subjectivo do gosto durante o acto de comer combina o paladar e o olfacto. Por isso, os alimentos perdem parte do sabor quando uma pessoa está constipada e não tem cheiro. Como os receptores do olfacto se localizam na parte superior do nariz, a respiração normal não lhes faz chegar muito ar, mas o acto de cheirar faz-lhes chegar mais ar, aumentando consideravelmente a sua exposição aos odores.

Interior do nariz e da garganta



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)