Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Ciclo menstrual


A menstruação, ou seja, o desprendimento do revestimento interno do útero (o endométrio) acompanhado de hemorragia, acontece em ciclos aproximadamente mensais, a não ser que a mulher esteja grávida. Define os anos reprodutivos da vida da mulher, que começam no início da menstruação (menarca) e continuam durante a puberdade, até à sua cessação (menopausa).

Por definição, o primeiro dia de hemorragia é considerado o início de cada ciclo menstrual (dia 1), que termina precisamente antes da menstruação seguinte. Os ciclos menstruais variam entre 21 e 40 dias e apenas 10 % ou 15 % são de exactamente 28 dias. Os intervalos entre os períodos são mais prolongados nos anos imediatamente posteriores à menarca e anteriores à menopausa. O ciclo menstrual divide-se em três fases: folicular, ovulatória e luteínica.

A fase folicular, de duração variável, prolonga-se desde o primeiro dia de hemorragia até precisamente antes do aumento da hormona luteinizante, que provoca a libertação do óvulo (ovulação). Esta fase denomina-se assim devido ao desenvolvimento característico dos folículos dos ovários. Durante a primeira metade da fase, a hipófise aumenta a sua secreção de hormona foliculoestimulante e, em consequência, estimula o crescimento de 3 a 30 folículos, cada um dos quais contém um óvulo. Só um destes folículos continua a crescer. Os outros degeneram. À medida que a menopausa se aproxima, a fase folicular torna-se mais curta.

Na menstruação, parte do endométrio solta-se em resposta a uma diminuição nos níveis circulantes de estrogénios e de progesterona. O endométrio consta de três camadas: a superior (superficial) e a maior parte da central (intermédia) soltam-se, enquanto a camada inferior (basal) se mantém para produzir novas células que reconstituem as outras duas camadas. A hemorragia menstrual dura entre 3 e 7 dias e a sua duração média é de 5 dias. A perda de sangue varia entre 14 g e 280 g (em média, 128 g). Uma compressa ou um tampão, conforme o tipo usado, podem reter até 29 g. Em geral, o sangue menstrual não coagula, a menos que a hemorragia seja muito intensa.

A fase ovulatória inicia-se ao aumentar a hormona luteinizante. A libertação do óvulo dá-se 16 a 32 horas depois do aumento hormonal. O único folículo que cresce sobressai da superfície do ovário, rebenta e liberta o óvulo. Próximo do momento da ovulação, algumas mulheres sentem uma moinha num dos lados da parte inferior do abdómen, que pode durar apenas uns minutos ou algumas horas. Apesar de a sensação de dor aparecer no mesmo lado do ovário que libertou o óvulo, a causa precisa da dor é desconhecida. A dor pode preceder ou seguir-se à rotura do folículo e não surge sempre em todos os ciclos. A libertação do óvulo não é alternante por parte de um e outro ovário e parece acontecer ao acaso. Por outro lado, se se extrair um ovário, o outro liberta um óvulo por mês.

A fase luteínica começa depois da ovulação e dura cerca de 14 dias, a menos que haja fertilização, e termina exactamente antes do período menstrual. O folículo rebentado fecha-se depois de libertar o óvulo e forma um corpo lúteo (amarelo), que segrega cada vez maior quantidade de progesterona.

A progesterona provoca um ligeiro aumento da temperatura corporal durante a fase luteínica, que continua alta até que começa o período menstrual. Este aumento da temperatura serve para saber se houve ovulação. (Ver secção 22, capítulo 240)

O corpo lúteo degenera ao fim de 14 dias e começa um novo ciclo menstrual, a menos que se dê a fecundação do óvulo. Se o óvulo for fecundado, o corpo lúteo inicia a secreção de gonadotropina coriónica humana, hormona que mantém o corpo lúteo, produtor de progesterona, até que o feto em crescimento possa produzir as suas próprias hormonas. Os testes de gravidez baseiam-se na detecção de um aumento nos níveis de gonadotropina coriónica humana.




Alterações durante o ciclo menstrual

O ciclo menstrual é regulado pela complexa interacção das hormonas pituitárias (hormona luteinizante e hormona foliculoestimulante) com as hormonas sexuais ováricas (estradiol e progesterona).

O ciclo menstrual começa com a fase folicular. Os baixos níveis de estradiol (um estrogénio) e de progesterona no início desta fase fazem com que o revestimento uterino (endométrio) degenere e se desprenda na menstruação, que marca o primeiro dia do ciclo menstrual. Durante a primeira metade desta fase, o nível de hormona foliculoestimulante aumenta ligeiramente e estimula o desenvolvimento de alguns folículos, cada um dos quais contendo um óvulo. Só um folículo continua a desenvolver-se. Durante a última parte desta fase, o nível de estradiol segregado pelos ovários aumenta e estimula o espessamento do revestimento uterino.

Um aumento nos níveis de hormona luteinizante e foliculoestimulante assinala o início da fase ovulatória. A libertação do óvulo (ovulação) ocorre normalmente entre 16 e 32 horas depois do aumento no nível hormonal. O nível de estradiol chega ao seu ponto máximo e o nível de progesterona começa a subir.

Durante a fase luteínica, os níveis de hormona luteinizante e de hormona foliculoestimulante descem. O folículo rebentado fecha-se depois de soltar o óvulo e forma o corpo amarelo (ou lúteo), que segrega progesterona. A progesterona e o estradiol provocam o espessamento do endométrio. Se o óvulo não for fertilizado, o corpo lúteo degenera e deixa de produzir progesterona, o nível de estradiol desce e começa um novo ciclo menstrual.



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)