Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Alterações corporais


Com a idade alteram-se vários aspectos perceptíveis no corpo humano. A primeira indicação de envelhecimento talvez apareça quando o olho tem dificuldade em focar os objectos próximos (presbitia). Por volta dos 40 anos para muita gente é, geralmente, difícil ler sem usar óculos. A capacidade auditiva também se altera com a idade, sendo frequente a perda de certa capacidade para ouvir os sons mais agudos (hipoacusia). Daí que as pessoas mais idosas possam considerar que a música do violino já não soa tão emocionante como quando eram jovens; também, ao não perceber a tonalidade aguda da maior parte das consoantes fechadas, podem pensar que os outros estão a murmurar.

Na maioria dos indivíduos a proporção de gordura corporal aumenta com a idade mais de 30 %. A sua distribuição também varia. De facto, há menos gordura por debaixo da pele e mais na zona abdominal e, consequentemente, a pele torna-se mais fina, enrugada e frágil, e a forma do corpo também se altera.

Por isso, não é surpreendente que, com a idade, diminuam quase todas as funções internas, cujo pico máximo de eficácia se situa na faixa dos 30 anos. A partir dessa idade inicia-se uma perda gradual mas contínua. Apesar dessa perda, a maioria das funções continuam a ser adequadas durante o resto da vida porque a capacidade funcional de quase todos os órgãos é superior à que o corpo necessita (reserva funcional).

Por exemplo, embora se destrua metade do fígado, o tecido hepático restante é suficiente para manter um funcionamento normal. Geralmente, são as doenças, mais do que o envelhecimento normal, que explicam a perda da capacidade funcional na velhice. Ainda assim, a diminuição das funções incide na predisposição dos idosos para sofrer os efeitos adversos dos fármacos, as alterações ambientais, o efeito das substâncias tóxicas e as doenças.

Embora a qualidade de vida se altere pouco com a diminuição das funções de alguns órgãos, a deterioração de certos órgãos pode afectar seriamente a saúde e o bem-estar.

Por exemplo, na velhice a quantidade de sangue que o coração pode bombear quando o corpo está em repouso não se reduz demasiado; em contrapartida, quando o esforço é máximo, a diminuição que se verifica é significativa. Isto implica que os atletas mais velhos não sejam capazes de competir com os atletas mais jovens.

Por outro lado, as alterações no funcionamento do rim podem afectar gravemente a capacidade das pessoas mais velhas para eliminar certos fármacos do organismo. (Ver secção 2, capítulo 9)

Em geral, é difícil determinar quais são as alterações que se relacionam com o envelhecimento e quais as que dependem do estilo de vida que cada indivíduo levou. Vários órgãos podem sofrer danos maiores que os causados pelo envelhecimento, como no caso das pessoas que levam um estilo de vida sedentário, uma dieta inadequada, que fumam e abusam do álcool e das drogas. Os indivíduos expostos a substâncias tóxicas podem experimentar uma quebra mais acentuada ou mais rápida em alguns órgãos, especialmente os rins, os pulmões e o fígado. Os indivíduos que trabalharam em ambientes ruidosos terão mais probabilidades de perder a capacidade auditiva. Podem evitar-se algumas alterações se se adoptar um estilo de vida mais saudável. Por exemplo, deixar de fumar em qualquer idade melhora o funcionamento dos pulmões e diminui as probabilidades de um cancro no pulmão, assim como a actividade física ajuda a manter em forma os músculos e os ossos.




Perturbações que afectam principalmente as pessoas de idade avançada
Doença ou alteração Explicação
Doença de Alzheimer e outras demências Perturbações do cérebro que provocam uma perda progressiva da memória e de outras funções cognitivas.
Úlceras por pressão Úlceras da pele devido a uma pressão prolongada.
Hiperplasia prostática benigna Aumento de volume da próstata (nos homens) que obstrui o fluxo de urina.
Cataratas Opacidade do cristalino do olho que impede a visão.
Leucemia linfática crónica Um tipo de leucemia.
Diabetes, tipo II (começo no adulto). Às vezes não é necessário um tratamento com insulina neste tipo de diabetes.
Glaucoma Aumento da pressão numa das câmaras do olho que pode diminuir a visão e causar cegueira.
Gamapatias monoclonais É um grupo de doenças diversas caracterizadas pela proliferação de um tipo específico de células que produzem grandes quantidades de imunoglobulina.
Artrose Degenerescência da cartilagem das articulações que produz dor.
Osteoporose Perda de cálcio dos ossos que os torna frágeis e aumenta o risco de fracturas.
Doença de Parkinson Doença degenerativa e progressiva do cérebro que causa tremor, rigidez muscular, dificuldade nos movimentos e desequilíbrio.
Cancro da próstata Cancro na glândula prostática (nos homens).
Herpes zoster Uma recidiva do vírus latente da varicela que causa uma erupção na pele e pode provocar dor durante muito tempo.
Icto Obstrução ou ruptura de um vaso sanguíneo do cérebro que provoca falta de forças, perda da sensibilidade, dificuldade em falar e outros problemas neurológicos.
Incontinência urinária Diminuição ou perda da capacidade de continência urinária.


Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)