Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Exame radiológico do tórax


Sistematicamente, as radiografias do tórax fazem-se de costas ou de frente, mas às vezes esta perspectiva complementa-se com uma projecção lateral (de perfil). As radiografias do tórax mostram bastante bem o contorno do coração e dos principais vasos sanguíneos, podendo geralmente detectar-se uma doença grave nos pulmões, nos espaços adjacentes e na parede torácica, incluindo as costelas. Por exemplo, as radiografias do tórax podem mostrar claramente uma pneumonia, tumores pulmonares, um colapso do pulmão (pneumotórax), líquido na cavidade pleural (derrame pleural) e enfisema. Embora as radiografias do tórax raramente proporcionem a informação suficiente para determinar a causa exacta da alteração, podem ajudar a determinar os exames complementares de que se necessita para estabelecer o diagnóstico.

Os exames do tórax através da tomografia axial computadorizada (TAC) proporcionam mais pormenores do que uma radiografia vulgar. No exame pela TAC analisam-se uma série de radiografias com um computador, que depois mostra várias projecções de secções transversais. Durante a TAC pode injectar-se um corante dentro da corrente sanguínea ou então administrar-se por via oral. Este meio de contraste ajuda a clarificar certas alterações no tórax.

Os exames com ressonância magnética (RM) dão também imagens muito pormenorizadas, especialmente úteis quando o médico considera que possam existir alterações dos vasos sanguíneos do tórax, como um aneurisma aórtico. Ao contrário da TAC, a RM não utiliza radiação. Por outro lado, regista as características magnéticas dos átomos dentro do corpo.

A ecografia cria uma imagem sobre um monitor, que se forma pela reflexão das ondas sonoras sobre determinadas partes do corpo. A ecografia utiliza-se com frequência para detectar líquidos na cavidade pleural (espaço que se encontra entre os dois folhetos da pleura que revestem o pulmão). Pode também utilizar-se a ecografia como guia ao realizar a aspiração dum líquido com uma agulha.

O estudo pulmonar com isótopos radioactivos utiliza quantidades muito reduzidas de material radioactivo de curta vida, para mostrar o débito de ar e de sangue através dos pulmões. Geralmente, o exame efectua-se em duas fases. Na primeira, a pessoa inala um gás radioactivo e, a seguir, o sistema de estudo (câmara gama) cria uma imagem que mostra como o gás se distribui pelas vias aéreas e pelos alvéolos. Em seguida, injecta-se numa veia uma substância radioactiva e cria-se uma imagem que mostra como se distribui essa substância pelos vasos sanguíneos do pulmão. Este tipo de estudo é particularmente útil para detectar coágulos de sangue nos pulmões (embolias pulmonares); pode também utilizar-se durante a avaliação pré-operatória em doentes com cancro do pulmão.

A angiografia mostra com pormenor o afluxo de sangue aos pulmões. O meio de contraste, um líquido radioopaco que pode ser vísivel nas radiografias, injecta-se dentro de um vaso sanguíneo e, a seguir, registam-se as imagens das artérias e das veias dos pulmões. A angiografia utiliza-se com maior frequência quando se suspeita de uma embolia pulmonar, baseando-se geralmente nos resultados anormais de uma gamagrafia pulmonar. A angiografia da artéria pulmonar é considerada como a prova definitiva (padrão ouro) para diagnosticar e descartar a embolia pulmonar.



Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)