Merck Sharp & Dohme - Portugal
MSD Portugal Publicacoes MSD
Pesquisa
IntroduçãoAjuda


Imprimir Enviar Artigo

Pneumonia eosinófila


A pneumonia eosinófila, chamada também síndroma de infiltrados pulmonares com eosinofilia (IPE), constitui um grupo de doenças pulmonares que se caracterizam pela presença nos pulmões e, geralmente, na corrente sanguínea, de numerosos eosinófilos, um tipo especializado de glóbulos brancos.

Os eosinófilos participam na defesa imune do pulmão. A quantidade de eosinófilos aumenta em muitas reacções alérgicas e inflamatórias, incluindo a asma, que, com frequência, acompanha certos tipos de pneumonia eosinófila. Nas pneumonias eosinófilas, os alvéolos e, muitas vezes, as vias aéreas enchem-se de eosinófilos. Estes podem também invadir as paredes dos vasos sanguíneos e, se se manifestar a asma, as vias aéreas apertadas podem obstruir-se devido ao muco segregado.

Não se conseguiu ainda determinar o motivo pelo qual os eosinófilos se acumulam nos pulmões e, com frequência, não é também possível identificar a substância causadora da reacção alérgica. Porém, algumas das causas conhecidas de pneumonia eosinófila são certos fármacos, vapores químicos e infecções por fungos e parasitas.

Sintomas e diagnóstico

Os sintomas podem ser ligeiros ou potencialmente mortais. A pneumonia eosinófila simples (síndroma de Löffler) e outras pneumonias semelhantes podem causar febre baixa e sintomas respiratórios ligeiros. O indivíduo pode ter tosse e respiração sibilante e sentir falta de ar, mas geralmente restabelece-se com rapidez. Por vezes, a pneumonia eosinófila pode evoluir em poucas horas para uma forma de insuficiência respiratória grave.

A pneumonia eosinófila crónica é uma doença grave e, se não for tratada, costuma piorar. Pode produzir-se uma dispneia potencialmente mortal.

Nos casos de pneumonia eosinófila, observa-se nas análises grande número de eosinófilos no sangue, por vezes até 10 a 15 vezes o seu valor normal. Na radiografia do tórax geralmente podem observar-se sombras nos pulmões que são características de pneumonia. No entanto, ao contrário da pneumonia provocada por bactérias ou vírus, as pneumonias eosinófilas mostram tipicamente sombras que aparecem e desaparecem em diferentes radiografias. O exame ao microscópio da expectoração mostra as características acumulações de eosinófilos, mais do que as camadas de granulócitos que se podem encontrar na pneumonia bacteriana. Podem-se levar a cabo outros exames complementares para determinar as causas, especialmente se se procura uma infecção por fungos ou parasitas; estas provas podem incluir exames de amostras de fezes ao microscópio. Pode também considerar-se como causa possível qualquer medicação que o doente esteja a tomar.

Tratamento

A pneumonia pode ser ligeira e melhorar sem qualquer tratamento. Habitualmente, administra-se um corticosteróide como a prednisona para os casos graves. Se o paciente é também asmático, pode aplicar-se o tratamento habitual da asma. (Ver imagem da secção 4, capítulo 37) Empregar-se-á uma farmacoterapia adequada se a causa for lombrigas ou outros parasitas. Geralmente, interrompe-se qualquer medicamentação que possa provocar a doença.




Causas da pneumonia por hipersensibilidade
Doença Origem das partículas de poeiras
Pulmão do agricultor Feno bolorento.
Pulmão do criador de aves, pulmão do criador de pombos, pulmão do trabalhador do feno Excrementos de pagagaios, pombos, galinhas.
Pulmão do ar condicionado Humificadores, aparelhos de ar condicionado.
Bagaçose Detritos da cana-do-acúcar.
Pulmão de apanhador de cogumelos Compostos dos fungos.
Pulmão do corticeiro (suberose) Cortiça bolorenta.
Doença da casca do ácer Casca de ácer infectada.
Pulmão do trabalhador de malte Cevada ou malte bolorento.
Sequioiose Bolor da serradura e da madeira vermelha.
Pulmão do lavador de queijos Bolor do queijo.
Doença do gorgulho do trigo Farinha de trigo infestada.
Pulmão do trabalhador do café Grãos de café.
Pulmão do operário de tecto de palha Palha ou junco usados no telhado.
Pulmão do trabalhador químico Substâncias químicas utilizadas no fabrico de espuma de poliuretano, moldes, isolamentos, borracha sintética e materiais de embalagem.


Política de Privacidade Termos de Utilizaçao Direitos Reservados © 2006 MERCK SHARP & DOHME PORTUGAL Merck & CO., (USA)